domingo, 3 de junho de 2012

Capítulo 01

Ano de 2006. Ao entardecer de um dia de julho, quando tudo está calmo, uma garota que aparenta 17 anos, e parece estar doente, isso a julgar por sua palidez, entra no seu quarto. Antes de sentar-se em uma das camas do quarto muito bem organizado, a garota liga o rádio e coloca um CD. Ela seleciona uma música, "One last breath" de Creed, e então finalmente senta na cama. Então apanha um diário, que está escondido debaixo do travesseiro, o diário, logo nota-se, é novo. A garota pega uma caneta e começa a escrever.

Querido diário,
como sinto saudades da minha completa felicidade. De quando eu tinha 8 anos e achava a vida a coisa mais bela do mundo. Como sinto saudade de brincar no parquinho em frente a minha casa, na pequena floresta perto de minha casa em Surrey. Eu era feliz. Brincava com Annie, minha irmã, era a melhor aluna da classe, conversava mais com meus pais. Eu ria, brincava, estudava, me divertia. Tudo era melhor. Também foi com 8 anos anos que conheci Nicholas McGroff. Nunca vou me esquecer do dia que nos conhecemos. Ele chegou com o os pais e a irmãzinha pequena na cidade, e foi morar na casa de frente a minha. Estava olhando da minha janela aquele menino, pele branca, olhos azuis e de jeito engraçado, e ele olhou para minha janela, como se soubesse que estava sendo observado, e acenou, sorrindo para mim. Lembro que fiquei escarlate, mas sorri, envergonhada. De noite ficamos, Annie e eu espiando pela janela a casa da frente, a noite toda, e rindo uma para a outra. No dia seguinte as crianças da rua foram brincar no parque e eu ia correndo para a gangorra, mas o Nick sentou-se primeiro, fiquei olhando para ele, ah, tinha me conformado de que eu teria de escolher outro brinquedo. Então ele olhou para mim, e viu que não conseguia tirar os olhos dele. Ele, sem pensar muito, me deu seu lugar. Annie abafou um risinho. Aceitei e até disse obrigada. Depois ele começou a conversar comigo. Perguntou se eu morava a muito tempo nesse lugar, em qual escola eu estudava, como era a vida aqui, das pessoas que aqui moravam, e me contou que vinha de Cambridge, porque o seu pai, que trabalhava no banco, tinha recebido uma proposta de emprego melhor aqui nesse lugar. Conversamos muito, até Annie, que estava conosco, pedir para irmos, porque estava com sede. Percebi que estava conversando com ele fazia umas 2 horas. Incrível como o tempo passa rápido quando estamos nos divertindo. Nós três voltamos para casa. E ele perguntou da pequena floresta de tinha aos fundos de sua casa, se nós já estivemos lá, e o que costumávamos fazer lá. Eu respondi que adorava brincar, e falei que no lugar tinha até um balanço, e só deixei de ir porque Annie tinha medo de ir na tal floresta. Então ele perguntou se eu poderia mostrar a floresta para ele, respondi SIM ligeiramente. Passei a noite toda sonhando com ele, ria bobamente, mamãe perguntava porque eu estava daquele jeito, porque costumava ser alegre, mas daquele jeito, nem ela nem papai tinham me visto algum dia. Passamos dias, semanas, meses, nos vendo direto, e Annie ficava brincando com Jessica, a irmãzinha de Nick, ambas tinham 7 anos. Lembro-me de um dos dias mais felizes da minha vida. Eu e Nick estávamos correndo na floresta, e nessa brincadeira caí e machuquei meu joelho. Nick assustou-se e correu ate mim, perguntou se eu estava bem, eu respondi que sim, e me sentei direito no chão da floresta, ele pegou um lencinho que estava no seu bolso e amarrou no meu joelho. Percebi que estava tremendo. Perguntei a ele o porquê do nervosismo. Ele me respondeu que temia que eu tivesse me machucado sério. Sorri meigamente para ele, e disse que não precisava se preocupar. Ele de repente ficou me olhando com uma certa seriedade. Perguntei um "O que foi?", e então ele se aproximou devagar, o rosto dele foi ficando cada vez mais perto do meu, e então ele encostou seus lábios nos meus.
Confesso que naquele momento me tremi, dos pés a cabeça, parece que não havia nada mais no mundo além de mim e ele, meu coração quase sai da boca de tão acelerado. Estava mesmo tendo meu primeiro beijo? Então passado alguns segundos ele se afastou, olhando para mim. Saí correndo, melhor dizendo mancando, para minha casa, mas ao mesmo tempo queria ficar ali. Mas o machucado começou realmente a doer. Chegando em casa, minha mãe cuidou de meu machucado, e eu fiquei quieta, sem falar nada, meu pai até achou estranho uma criança não falar nada ou chorar, até quando cheguei no meu quarto e falei a Annie tudo o que aconteceu. Ela começou fazer brincadeiras, rir. Não me importava. Sonhei a noite toda com aquilo. E no dia seguinte voltei ao local, e o encontrei no balanço. Ele me perguntou timidamente se joelho estava melhor. Respondi que sim. Ficamos olhando para o céu, para as árvores muito tempo, até ele romper todo aquele silêncio e me pedir em namoro. Lembro que olhei para ele boquiaberta. E ele então olhou para o chão, e brincou com uma pedrinha. Respondi que ele era a pessoa com que mais me importava no mundo, e que estar com ele me fazia sentir coisas, que na minha idade não sabia o que eram. Mas eu ria com ele, brincava, e tudo parecia bom quando estávamos juntos. Então ele me abraçou. Acho que aquilo era um SIM para sua pergunta.
Os dias que se seguiram foram os mais lindos possíveis, até íamos mais a casa um do outro. Passeávamos na floresta. Fomos, nossos pais, nossas irmãs, Nick e eu juntos a um parque, e nós dois fomos dar uma volta na roda-gigante, rimos muito, ele riu um pouco nervoso por algum motivo desconhecido por mim, e foi quando estávamos lá em cima, que senti sua mão sobre a minha, estava suada, nos olhamos e ele riu carinhosamente, antes de descermos, soltamos as mãos. Nunca senti sensação melhor do que estar ao seu lado. Mas tudo o que começa tem um fim.
Num dia, no pôr do sol, estava na minha cama, lendo, quando vejo Nick através da minha janela, ele estava um pouco sério, mesmo assim sorri para ele. Ele me chamou e apontou para a floresta. Entendi que queria falar comigo e desci. Cheguei na floresta. Ele estava tão bonito, me deu uma louca vontade de abraçá-lo, mas antes que pudesse realizar meu desejo, ele começou a falar que...

Uma lágrima cai no meio da página do diário em que a garota está escrevendo.

Ainda lembro com uma tamanha tristeza quando ele me disse, confuso:
- Verônica, tenho que te dar uma notícia, mas não como vou te dizer isso.
Eu apenas olhei para ele intrigada, e respondi:
- Apenas diga, Nick! Falamos tudo um para o outro.
Ele se mexeu nervosamente, mordeu os lábios por um tempão, e disse:
- Minha família e eu vamos nos mudar amanhã!
Eu o olhei sem entender nada. Perplexa.
- Vão se mudar de casa, de rua...
- De cidade, estado, talvez até de país. Eu não sei!
Fiquei parada, boquiaberta, sem saber o que falar. Parece que aquela informação não estava querendo processar, sei lá. Percebi que minhas mãos estavam suadas e trêmulas.
- Porquê? - Foi a única coisa, depois de muito silêncio, que pôde sair de minha boca.
- Meu pai recebeu uma proposta de trabalho.
- Onde? - Respondi com raiva dessa tal proposta de emprego. Estava começando então chorar. - Quer saber, não precisa me dizer! Você vai embora mesmo! Vai me deixar aqui! Seu idiota! Como você pôde fazer isso comigo? Depois de tudo o que a gente viveu! Vai e não fala mais comigo, Nicholas!
Dei as costas a ele, mas percebi que ele cobriu o rosto com as mãos.
- Não é culpa minha, Verônica!
Cheguei em casa chorando, e falei tudo a Annie, ela ficou quieta, porque nessa não sabíamos lidar com situação como esta. Nessa noite tive muitos pesadelos.
E quando amanheceu, acordei finalmente, pensando que nem tudo estava perdido. Annie veio de sua cama falar comigo.
- Dá o telefone daqui para ele, o endereço. Quem sabe ainda há alguma forma de um dia vocês se verem.
Olhei pela minha janela a família McGroff saindo de casa, e Nick, ao entrar no carro, olhar para minha janela. Pensando bem, teria algum jeito de continuarmos nos comunicando. Pensei rápido. Ele me viu da janela, vi aquele rosto lindo, e saí correndo. Peguei um papel e anotei o endereço e o telefone de minha casa. Corri o mais rápido que pude e quando saí na rua vi que o carro estava dobrando a esquina.

Mais uma lágrima caiu no diário.

Senti uma dor que nunca havia sentido, como se nunca mais pudesse ser feliz, senti como se não conseguisse respirar. Tinha perdido o primeiro, e hoje sei que foi o grande amor da minha vida.
Estou condenada. sem um telefonema dele, ou uma carta, sem notícias há anos, apenas com lembranças. Depois disso, minha vida nunca mais foi a mesma... Ah, desculpa, não consigo mais escrever.

Verônica deixou de escrever no diário. Estava chorando descontroladamente. Fechou-o e foi até o espelho.
A Verônica que o espelho refletia nem de longe parecia uma Verônica jovem, feliz. Ela estava, apesar de bonita, mal arrumada, de cabelos bagunçados e triste.
- Essa é você Verônica Watson! - Falou a garota para seu reflexo no espelho.
Será que um dia encontrarei ele de novo? Pensou enxugando uma lágrima. Sempre, pelo menos 30 vezes ao dia, lhe ocorria este pensamento.
Então a garota saiu do quarto.

Tema do episódio: "One last breath" de Creed






♪ Músicas online grátis! Acesse: www.powermusics.com

18 comentários:

  1. Aiiiiiiiiii...chorei lendo! é que eu já amei um cara, e ele teve de me deixar...E apesar de eu estar com namorado nunca eskeci ele...linda história! PARABÉÉÉNS!
    Patrícia

    ResponderExcluir
  2. ow...q bom q vc se emocionou com a história...espero que com ou sem o tal cara vc seja mtu feliz!!! bjaum,garota!

    ResponderExcluir
  3. Great opening! I wish her hapiness. Carly

    ResponderExcluir
  4. Ei amo sua historia ai vc eh tao fofo, e romantico eh o q eu mais qro em um menino...TEM NAMORADA?

    ResponderExcluir
  5. rsrsrs...obg! obg mesmo..q bom q ama minha estória! não tenho namorada, mas tow com um lance aí com uma garota.rsrsr...mas comente sempre, viu? bjaum, linda!

    ResponderExcluir
  6. Poxa q pena... diz pra ELA q ela eh uma garota de SORTE,pois vc eh um garoto q eh muito dificil d tr um igual cm essas qualidads....ah e se ela bobear eu t PEGO rsrsrsrs....bjao

    ResponderExcluir
  7. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...obg! obg mesmo! vc q é fofa...e comente sempre a estória,tah? bjaum!

    ResponderExcluir
  8. Noooossa! A Verônica sofreu muito mesmo...q lindo! Acabei de ler o seu conto...Tow esperando ansiosamente o proximo capítulo...axo q vou pirar qndo a Verônica reencontrar o Nick...aaaaaaaaaaaai!

    ResponderExcluir
  9. é...realmente ela sofre mtu! obg por ler, vc não vai se arrepender por esperar..e vai ser sim, muito emocionante o reencontro deles...imagina aí depois de mtu tempo como vai ser o reencontro...aguarde...bjo

    ResponderExcluir
  10. Nuuuuuuuuuuussa...Esse capítulo de estréia é chocante!Parabéns,Aciello...tah linda sua história.

    ResponderExcluir
  11. Obg! e ainda tah só começando...se prepare para fortes emoções...kkk bjaum, e obg mais uma vez!

    ResponderExcluir
  12. adorei essa música... mais desculpa, eu não conheço!
    de quem é????

    xoxo**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o nome da música é one last breath e quem canta é a banda creed.
      xoxo
      kkkkk

      Excluir
  13. cara mew muito firme
    isssoooo viciiiaaaa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkk...obg, Marcelle!
      obg pelo carinho!
      :)

      Excluir
  14. Caraca!
    Você escreve muito!
    uma amiga minha me indicou teu blog, e nem pensei que ia ser grande coisa, mas me surpreendi.
    Você é um ótimo autor! Muito lindo sua história.
    Me apaixonei.Vou continuar lendo.
    bju
    Iara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obg, Iara!
      Continue lendo...e divulga, tah?
      bjaum
      :)

      Excluir